Todo mundo tem seu dia ruim


Todo mundo tem seu dia ruim, no meu caso já estão sendo dois. Desde ontem minha glicose está alta, não fiz nada de diferente nas dosagens, passei a sexta-feira toda na dieta, apenas na janta que era em comemoração à formatura do meu irmão que saí da refeição usual (mas nada fora do comum do meu plano alimentar em que tenho duas refeições livres por semana). Simplesmente estou com uma resistência à insulina, talvez seja a mudança de temperatura, talvez seja o cansaço acumulado de uma semana com muito trabalho e poucas horas de sono, talvez seja alguma alteração hormonal. Mas eu detesto não ter o controle do meu corpo, detesto não conseguir equilibrar minha glicose, detesto sentir os sintomas da hiper. Fico frustada e muito chateada. Tem dias que queria dar um pause na diabetes, que queria que fosse muito mais simples que parece ser. Quando o choro começa a doer na garganta, vem aquela força lá do dedão do pé, aquele otimismo escondido atrás da raiva e da vontade de jogar tudo pro alto. Desistir? Jamais. Eu escolhi viver e não é a diabetes que vai me impedir. Então ao invés de ficar chorando e me questionando, fiz os procedimentos básicos para descobrir onde está o erro e equilibrar meu corpo novamente. Troquei as insulinas por precaução, estou tomando o dobro de água que costumo tomar, estou seguindo o meu plano alimentar bem certinho e vou aproveitar o resto da tarde de sábado para dormir. Às vezes o diabetes serve para me avisar que preciso parar um pouco, que meu corpo precisa de um descanso. O diabetes é um balizador na minha vida, pois eu que controlo a doença, porém, ela também me mostra que pode me controlar se eu não souber meus limites. *hoje não estou alegre como nessa foto, mas preciso olhar ela para lembrar que preciso ser forte e preciso manter o sorriso no rosto

Destaques