Afinal, qual a diferença da Lantus para a Basaglar?


Lantus e Basaglar são a mesma coisa? Posso trocar de insulina se uma estiver mais barata que a outra? Por que não chamamos ela de genérica e sim de biossimilar?

Quer saber as respostas? Vem comigo.

Em maio, foi anunciada a nova insulina decorrente da parceria dos laboratórios Lilly e Boehringer Ingelheim, a chamada Basaglar. Na ocasião, fiz um post aqui e falei sobre o que era uma insulina biossimilar, quais as legislações e porquê demorou tanto para lançarem outra glargina no mercado. Todavia, eu mesma estava cheia de dúvidas, como: quanto custaria, se poderíamos fazer a troca, se funcionaria da mesma forma, se era seguro usar uma nova insulina...

Em novembro, tive a oportunidade de participar do lançamento da Basaglar em São Paulo, e em seguida, tive uma super imersão em diabetes no XXI Congresso da Sociedade Brasileira de Diabetes, participando de simpósios e palestras que me fizeram entender ainda melhor essas peculiaridades. Agora, vou simplificar todos esses termos técnicos para vocês.

Primeiro de tudo, temos que saber que a insulina é uma substância biológica, desenvolvida a partir de sistemas vivos, como microrganismos, células humanas e células animais (para entender como funciona as insulinas no nosso organismo, acessa aqui). Dito isso, vamos a uma analogia; acredito que ela vai nos ajudar a entender melhor essa história de biossimilar.

Quando vemos no supermercado aquela prateleira lotada de vinhos e queremos um vinho tinto, temos a consciência de que todos produtos com o rótulo de identificação de vinho tinto são de fato vinho tinto, certo? Mas eles foram produzidos da mesma forma? Com os mesmos ingredientes? Nas mesmas condições?

Não foram. Cada vinícola produz seu vinho tinto de uma forma, mesmo tendo uma receita padrão.

A mesma coisa acontece com um biossimilar.

Ambas insulinas são glargina, mas não podemos dizer que são iguais e sim, que são similares. A quebra de patente da Lantus do laboratório Sanofi, possibilitou que outros laboratórios fabricassem a insulina glargina, porém, os processos que cada laboratório tem para produzir essa substância, são únicos. Lembra da analogia do vinho? É a mesma. Todos são vinho no ponto de venda, mas dentro das vinícolas, eles são confeccionados de maneiras diferentes, já que cada vinícola tem seu processo.

Quando falamos de insulina biossimilar, como é o caso da Basaglar, sabemos que ela tem a mesma estrutura, mesma ação e mesmo efeito, e mesmo tempo de ação da insulina de referência: a glargina. E chamamos a Lantus de insulina referência pois todos os estudos que realizaram com a Basaglar foram feitos em cima dela, o produto referência.

Mas não podemos chamar a Basaglar de insulina genérica?

Não, pois um medicamento genérico significa que ele é feito a partir de um produto químico, idêntico ao outro, a insulina é um produto biológico, lembra?

Ok, entendi, a Basaglar é similar à Lantus, então, não é genérica.

Se o produto final é igual, é seguro eu usá-lo?

Para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA aprovasse a Basaglar no Brasil, ela foi submetida a muitos testes, a Lilly e a Boehringer realizaram diversos estudos para comprovar para a ANVISA que a Basaglar tinha o mesmo comportamento que a insulina de referência, a Lantus.

Se os estudos foram aprovados pela ANVISA, eu posso trocar de insulina?

Você só pode trocar de insulina depois de consultar seu médico. Jamais devemos fazer alteração no nosso tratamento sem o aval do médico, exatamente por elas serem similares, e não iguais. Apesar de os estudos mostrarem que seria o mesmo tempo de ação, mesmo efeito e terem a mesma estrutura, o processo pelos quais elas passam na fabricação e o fato de elas serem produzidas a partir de substâncias biológicas podem fazer com que nosso organismo reaja de forma diferente a elas. Portanto, antes de trocar de insulina, converse com seu médico para que ele te dê suporte e auxílio nessa transição.

Ah, mas e o preço da Basaglar, por que ele é menor que o da Lantus?

No Brasil, quem determina o Preço Máximo de Venda de um medicamento nas farmácias e drogarias é a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos – CEMED. A CEMED determinou que a Basaglar deve ter um valor 70% menor que o valor da Lantus. Por isso, a Basaglar chegou às farmácias com um valor próximo a R$ 35,00 por um refil de 3ml.

Que ótima notícia né?

Melhor ainda é a notícia de que com essa concorrência, a Sanofi reduziu o preço da Lantus para quem é cadastrado no seu programa de desconto, deixando a Lantus com um valor em torno de R$49,50. E assim como a insulina referência, a Basaglar pode ser encontrada tanto em caneta descartável quanto em refil, podendo ser utilizada nas canetas permanentes já comercializadas pela Lilly para os refis de Humalog.

Entendi tudo Dani, só que ainda estou em dúvida se devo trocar ou não de insulina.

O que eu posso te aconselhar é: conversa com teu médico, pois o melhor tratamento é aquele que a gente consegue seguir, seja no âmbito financeiro ou em termos de conforto e adaptação.

Como paciente, acho maravilhoso que outros laboratórios estejam trazendo novas opções para nosso tratamento, permitindo que as pessoas tenham acesso a insulinas análogas, que são comprovadamente mais eficazes no gerenciamento do diabetes.

Ainda tem dúvidas? Deixa aqui seu comentário ou entra em contato comigo por email ou até mesmo nas redes sociais ;)

Ambos os laboratórios (Lilly e Sanofi) têm um programa de auxílio ao paciente e você pode entrar em contato com eles através dos telefones:

Lilly e Boehringer 0800 701 0444

Sanofi StarBem 0800 771 8700

Este post é apenas de caráter informativo. Para qualquer dúvida, contate seu médico. Este não é um post patrocinado. Não tenho conflitos de interesse.

Destaques