Páscoa para se reinventar

A primeira Páscoa com diabetes foi dolorosa, além de perdida, eu era desinformada e ainda tinha um paladar infantil. Por não fazer contagem, fui atrás de ovo diet, chorei porque não podia ganhar chocolate das avós e chorei ao ver uma surra de glicose alta o dia todo. Com a internet, a informação e a evolução no meu tratamento, mudei completamente esse cenário com o passar dos anos: meu paladar infantil evoluiu para adorar chocolate amargo, meu conhecimento sobre diabetes cresceu e aprendi a contar carboidratos, meu estilo de vida e escolhas alimentares evoluíram para produzir meus próprios ovos de Páscoa e entendi o real significado dessa data! Esse ano, decidi fazer dois sabores de ovos recheados, um de banoffee (famosa torta de banana) e um de bolo de cenoura (lowcarb e sem glúten). Ambos fiz com muito carinho, escolhi meus ingredientes do bem, cuidei para que eu conseguisse combinar sabor com saúde e o resultado foi ainda melhor que em 2017. O melhor de fazer ovo em casa é que consigo uma contagem de carboidratos afiada e tenho momentos especiais com minha família, que além de fazer uma competição pelo ovo mais bonito, aprendeu comigo a escolher melhor seus ingredientes. Nesses quase seis anos de diabetes, aprendi que nem sempre temos que comer por prazer, pois o alimento é para nos nutrir, porém, aprendi que é possível aliar os dois com força de vontade e informação. A Páscoa sempre foi minha data comemorativa preferida, como uma legítima Coelho, uso esse dia para me renovar e reinventar como pessoa e olhar para trás, fazer essa retrospectiva, faz eu me sentir vitoriosa! Feliz Páscoa gente linda e doce 🐰 

*o aplicativo na imagem chama-se MyFitnessPal e eu o utilizo para contar carboidratos e cadastrar receitas (ensinei como usar esse app aqui) *as receitas de ovos foram tiradas de diversos perfis de Instagram que eu sigo 

Destaques

Temas

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Twitter - White Circle
  • LinkedIn - White Circle

© 2017 por Daniela Olmos