O que representa esse número?

5.5% A glicada mais baixa que já atingi nesses quase seis anos de diagnóstico. Hipocrisia da minha parte se dissesse que não fiquei feliz com o resultado, quem não ficaria? Mas confesso que me perguntei muitas vezes se deveria postar ela, se deveria chamar atenção para esse número, já que ele pode parecer inatingível para muitas pessoas com diabetes. Então resolvi postar, entretanto, quero pedir para que vocês não olhem apenas esse resultado, e sim para o meu estilo de vida, meu tipo de tratamento, minhas escolhas, minha rotina, minhas prioridades, meus privilégios. Estão vendo como é tudo individual? Tudo é “meu”, pois eu acredito que precisamos buscar o melhor de nós dentro dos nossos limites, entender que não precisamos ser igual ao Paulo que tem um gráfico reto ou ao Wilian que corre todo dia ou à Dani que não sai da dieta ou à Bia que consegue driblar todos carbos simples na contagem... Temos que entender de nós mesmos, de nosso corpo, de nosso tratamento, de nosso limite. Eu me esmero na contagem, me esforço nos treinos na academia e fora dela, me dedico à cozinha e me permito ter momentos em que esqueço ter diabetes (obrigada 640G por isso), mas acima de tudo, eu valorizo minha vida e saúde, e entendo que eu sou uma pessoa fora do padrão. Reconheço que se não fosse pela bomba de insulina e minha capacidade de avaliar meu próprio tratamento a ponto de alterar 0.025 de uma basal, não teria esse resultado. E reconheço também que já ultrapassei o ótimo, que não preciso ter um número tão baixo assim, como sinônimo de bom controle do diabetes. Meu objetivo sempre será estar em equilíbrio, não me adianta nada um número baixo com hipoglicemias constantes, não me adianta nada um número baixo comprometendo minha saúde mental, não adianta nada um número baixo deixando de ser quem eu sou. E no momento essa sou eu: muito feliz 🙆🏽‍♀️

Destaques

Temas

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Twitter - White Circle
  • LinkedIn - White Circle

© 2017 por Daniela Olmos